Estimular os funcionários é parte integrante dos deveres de todo bom líder e gestor. Já é sabido que quanto mais valorizados pela empresa eles são, mais duradouras se tornam as relações de trabalho e, a médio e longo prazo, o investimento em bonificações e benefícios se reverte em crescimento para a organização.

Cada empresa constitui um universo diferente, com culturas organizacionais distintas e necessidades específicas. Por isso, embora seja proveitoso avaliar o modelo de outras empresas de sucesso, nunca é possível aplicar algum aspecto desses modelos tal e qual, sem antes passá-lo por um filtro que o adapte ao nosso sistema.

O mesmo ocorre quando se fala em bonificações e benefícios. Por isso, neste artigo, vamos detalhar os modelos mais conhecidos, para que você possa avaliar quais deles se encaixam na cultura da sua empresa e no perfil dos seus colaboradores. Boa leitura!

Por que estimular os funcionários com benefícios e bonificações

O estímulo faz parte de um modelo de gestão que já conquistou seu terreno no mundo dos negócios. Afinal, uma empresa que busca a excelência jamais vai atingir esse objetivo se seus colaboradores não estiverem dispostos a buscá-la também.

E essa busca vai além das funções mínimas atribuídas a uma pessoa. Assim, se um gestor pretende que seus colaboradores ultrapassem a barreira do mínimo em direção à excelência, ele também — e sua empresa — deve ultrapassar essa barreira, que é o salário.

O salário faz parte da remuneração de um funcionário. No entanto, os vencimentos vão além da questão do pagamento mensal referente aos afazeres estipulados em contrato. Desde os benefícios obrigatórios por lei — como vale-transporte — até bonificações variáveis — como participação nos lucros — todos são elementos integrantes da chamada remuneração.

Dentro do universo da empresa, aumentar o recebimento de um colaborador significa demonstrar o quanto ele é importante, além de, muitas vezes, contribuir para que ele resolva problemas pessoais que poderiam tirar a sua concentração durante o trabalho. O resultado é um colaborador mais assertivo, dedicado e, acima de tudo, mais tranquilo, o que diminui a rotatividade dentro da empresa.

Mas, então, quais tipos de benefícios e bonificações podem auxiliar a sua empresa e a sua equipe no caminho da excelência? Confira agora!

Os modelos mais conhecidos

1. Participação nos lucros e resultados (PLR)

O famoso PLR, embora seja mais complicado de estruturar e aplicar, exigindo um total controle das finanças da empresa, total transparência e um setor específico para dar conta de atendê-lo, pode servir como um estímulo real para seus colaboradores.

Nesse modelo, quanto maior for o lucro da empresa, maior será a remuneração adicional para cada funcionário, estimulando-os na busca pelo sucesso.

Antes de se decidir por este modelo, no entanto, é importante ter em mente que os sindicatos possuem regras para a aplicação dessa bonificação e você deve conhecê-las.

2. Bônus por cumprimento de metas

Este é um método mais simples de estimular os funcionários, que pode ser acordado dentro do ambiente da empresa, sem a necessidade, a princípio, de consultar entidades como os sindicatos. O bônus por cumprimento de metas visa estimular o funcionário a atingir os números estipulados.

No entanto, é necessário tomar cuidado com o efeito reverso. Algumas empresas — como bancos — são conhecidas por estipularem metas extremamente difíceis, que se refletem em queda da qualidade do atendimento (uma vez que o funcionário pode se tornar inoportuno na negociação com o cliente, omitindo ou distorcendo informações para fechar alguma venda ou contrato) e na queda da produtividade, promovendo o estresse.

Portanto, avalie bem o modelo de bonificação por metas a ser implementado. Ele deve ser um benefício ao funcionário, e não uma via de opressão ou de seleção “dos melhores”.

3. Benefícios adicionais ou Salário indireto

Conhecido como salário indireto, os benefícios oferecidos pela empresa que complementam o salário são sempre uma boa maneira de estimular o funcionário a manter-se dentro da organização e trabalhar para tal.

Você pode apostar nos mais famosos, como vale-alimentação, plano de saúde, auxílio-moradia, além de investir na capacitação e crescimento do seu colaborador por meio da oferta de cursos que o aprimorem tanto na sua vida pessoal como no seu rendimento dentro da empresa — oferecer cursos de línguas, por exemplo, é uma ótima opção.

Além disso, você pode oferecer vantagens como o vale-cultura, que auxilia o colaborador a melhorar a qualidade do seu tempo livre, refletindo indiretamente no seu rendimento nos horários destinados ao trabalho.

4. Outros benefícios

Nem sempre uma empresa de pequeno ou médio porte tem estrutura para aplicar um modelo de bonificações ou benefícios clássicos. Nesses momentos, usar a criatividade pode ajudar. Você pode oferecer aos seus funcionários, por exemplo, cestas básicas que vão complementar — em alguns casos até substituir — o vale-alimentação.

Existe uma série de benefícios que vão servir para descontração e integração da equipe. É possível, por exemplo, realizar eventos com os funcionários e promover premiações simbólicas, sortear viagens, realizar retiros onde podem ser dadas palestras para o aprimoramento da equipe. Enfim, tudo vai depender da criatividade e do orçamento do gestor.

O que atentar na hora de escolher o melhor modelo

Para estimular os funcionários com bonificações e benefícios, você deve avaliar a capacidade da sua empresa em atender o modelo escolhido a longo prazo. Uma vez que uma iniciativa desse tipo é implementada dentro da cultura organizacional da empresa, é muito difícil removê-la sem que haja grande impacto entre os colaboradores e, por conseguinte, na produtividade e satisfação.

Além disso, é bastante comum no mercado empresas ofertarem benefícios que não são desejados pelos seus funcionários. Nesse sentido, por melhor que seja a intenção do gestor, o efeito acaba sendo nulo ou oposto ao esperado. Por isso, conheça seus colaboradores, saiba o que é importante para eles e que tipos de benefícios serão realmente úteis e estimulantes.

Portanto, antes de decidir qual caminho tomar, faça uma ampla avaliação da situação real da empresa, de suas perspectivas de crescimento, do cenário mercadológico dentro da sua área de atuação, do perfil dos seus funcionários e do tipo de cultura organizacional que já existe. Implementar um modelo de benefícios e bonificações exige planejamento e resiliência, mas pode trazer um bom retorno em termos de produtividade e lucro.

Gostou de conhecer algumas formas para estimular os funcionários a trabalharem em busca da excelência? Para receber mais conteúdos como este, assine a nossa newsletter.

Renato XavierPublicado Por:
Renato Xavier- Diretor de Operações e Marketing