É difícil ler jornais ou assistir ao noticiário sem trombar com o termo “reforma da previdência”. Desde que foi colocado em pauta, o tema assusta tanto empregados quanto empregadores, gerando dúvidas e opiniões contrárias de ambos os lados.

Polêmicas à parte, como será que a reforma da previdência afeta a sua empresa e como adaptar-se a ela? É para responder a essas questões (e diminuir suas preocupações!) que escrevemos o artigo de hoje. Acompanhe!

O que é a reforma da previdência?

A reforma da previdência vem com a proposta de igualar a forma de obtenção da aposentadoria entre a maioria dos trabalhadores, alterando as idades mínimas e tempo necessário para conseguir o benefício.

A proposta, que ainda aguarda a votação na Câmara dos Deputados, prevê um período de transição até a aplicação completa dos novos critérios.

Entenda os principais pontos da reforma

São dois os principais pontos da nova reforma previdenciária:

Requisito para aposentadoria

Atualmente, existem duas formas de se aposentar no Regime Geral de Previdência Social: por tempo de contribuição (30 e 35 anos para mulheres e homens, respectivamente) ou por idade (60 e 65 anos para mulheres e homens, respectivamente, e 15 anos de contribuição).

A proposta extingue a primeira forma de obtenção do benefício e aumenta a idade mínima de aposentadoria das mulheres para os 62 anos. Nesse caso, tanto homens quanto mulheres terão de contribuir 15 anos.

Novo cálculo

Com a nova regra, a contribuição de 15 anos dá direito ao cálculo do valor da aposentadoria correspondente a 60% da média salarial. Apenas com 40 anos de contribuição poderá ser atingido 100% da remuneração.

Como a reforma da previdência afeta a sua empresa?

Embora haja um tempo de transição para que empresas e empregados se adaptem, é preciso desde já ficar atento às mudanças na previdência. Quanto às questões de pagamento e contribuição feita pelas empresas, nada muda. Por isso, fique de olho nas mudanças na cultura de sua organização.

Com o aumento no tempo de contribuição e idade mínima, haverá uma tendência natural de envelhecimento da força de trabalho, o que exige dos setores de Recursos Humanos maior atenção a questões como aumento de despesa com planos de saúde, gerenciamento de carreira e convívio entre diferentes gerações no ambiente de trabalho.

Para preparar-se para esse novo cenário, é preciso formar um RH mais estratégico. Nada de focar apenas em questões operacionais — elas são importantes, mas não são suficientes para gerenciar essas novas demandas.

Assim, o RH deve adotar atitudes como:

  • localizar sua força de trabalho e verificar se ela é composta por pessoal mais jovem ou não;
  • verificar se há planos de desenvolvimento na empresa e como eles podem ser adaptados para funcionários jovens e mais velhos;
  • criar uma cultura de harmonia entre as diferentes gerações;
  • criar estratégias de motivação no trabalho, que gerem valor tanto para os funcionários quanto para a empresa.

As mudanças podem parecer muitas, mas, na prática, você deve continuar na busca por uma gestão de pessoas que alinhe interesse da empresa e dos colaboradores. Dessa forma, a reforma da previdência não trará impactos negativos à sua organização!

Você ainda tem algumas dúvidas? Não se preocupe, deixe-nos um comentário que nós esclareceremos as suas questões!

Renato-fotoPublicado Por:
Renato Xavier- Diretor de Operações e Marketing