Para muitos trabalhadores, os benefícios oferecidos em um emprego são tão importantes quanto o próprio salário. Já do ponto de vista da empresa, oferecer benefícios é uma faca de dois gumes: é essencial para a motivação da equipe, mas traz complexidade para as atividades administrativas do setor de RH ou departamento de pessoal.

Assim, é importante ter uma gestão de benefícios eficiente para garantir que esse recurso seja bem aproveitado. Neste post, você encontra as orientações para melhorar a gestão de benefícios de sua empresa.

A importância do planejamento na gestão de benefícios

Antes de criar o plano de benefícios da empresa, é preciso realizar um planejamento adequado. Esse planejamento deve abordar três aspectos: os desejos e necessidades dos funcionários, as possibilidades de parceria disponíveis e o custo-benefício que cada opção representa para a empresa.

Para descobrir quais são as expectativas dos seus colaboradores quanto aos benefícios, o setor de RH pode realizar uma pesquisa interna direcionada a esse tema. Então, é preciso pesquisar quais desses benefícios poderiam ser oferecidos por meio de parcerias com outras empresas e quais seriam providos pela sua empresa sem nenhum auxílio externo.

Finalmente, é preciso avaliar qual seria o custo de oferecer os benefícios solicitados, em relação às vantagens que eles vão representar para os funcionários e para a própria empresa.

O estabelecimento de políticas transparentes

O oferecimento de benefícios, em muitos casos, está atrelado a algumas políticas internas. Por exemplo, sua empresa pode descontar até 6% do valor do vale-transporte diretamente do salário de seus funcionários. O oferecimento do plano de saúde corporativo pode ser restrito a funcionários com tempo mínimo de vínculo. O acesso a um programa de incentivo ao estudo pode depender de metas de desempenho.

Como o oferecimento da maioria dos benefícios é uma opção da empresa, as políticas que irão regê-lo também são. Contudo, elas devem ser muito transparentes. Seus funcionários precisam entender exatamente quais são as regras para ter direito a cada benefício disponível. Do contrário, além de abrir brechas para contestações, você também estará criando um contexto propício a mal-entendidos e insatisfação.

O controle da distribuição

A distribuição dos benefícios é uma atividade na qual há tolerância zero para erros. Vejamos o caso do vale refeição: é preciso assegurar que todos os funcionários recebam o valor correto, atendendo a condições como assiduidade ao trabalho. Para uma equipe enxuta de RH, fazer essa distribuição ocuparia muito tempo, com alta probabilidade de equívocos.

A melhor alternativa, nesse caso, é o oferecimento da cesta básica. Essa opção garante uma distribuição otimizada: sem erros e mais prática. O conteúdo da cesta não depende da assiduidade, o funcionário pode recebê-la na sua própria casa (sem tumultos para retirada na empresa) e todo o procedimento fica sob responsabilidade da empresa de entrega.

A taxa de uso de benefícios

Você disponibiliza benefícios interessantes, como convênio com clubes, academias e escolas de idiomas, mas será que os funcionários estão tirando proveito deles? É importante fazer um controle para saber a taxa de uso dos benefícios oferecidos.

Se essa taxa estiver muito baixa, pode haver uma falha na divulgação do benefício. Talvez o interesse por ele fosse grande na teoria, mas pequeno na prática; nesse caso, você pode optar por encerrá-lo ou transferir o mesmo investimento para outra opção de benefício, com mais demanda.

Em qualquer caso, a comunicação interna ocupa papel central, seja para informar à equipe sobre um benefício que está sendo oferecido, seja para explicar por que um benefício está sendo cortado.

O alinhamento com os objetivos da empresa

Aumentar o nível de satisfação dos colaboradores é muito importante; porém, existem formas mais simples de fazer isso. Você somente deve fazer o alto investimento exigido para agregar um benefício quando ele estiver alinhado com os objetivos da empresa. Por isso, analise o que você espera que aquele investimento represente a longo prazo. Ele vai aumentar a motivação e produtividade da equipe? Reduzir o turnover? Contribuir para o desenvolvimento profissional dos melhores funcionários?

E você, o que espera alcançar ao oferecer um plano de benefícios atrativo para os seus funcionários? Sua equipe de RH está preparada para lidar com a gestão de benefícios? Conte para nós através dos comentários.